Garotas fãs de Cristo: Não provoque a ira de seus filhos!

Não provoque a ira de seus filhos!


Vemos, lemos e ouvimos tantas instruções bíblicas para que os filhos obedeçam e honrem o seu pai e a sua mãe (Ex 20.12), porém muitos se esquecem que há instruções para com a responsabilidade dos pais aos filhos. E em alguns casos, os filhos não obedecem e são rebeldes para com os seus pais por causa da negligência e/ou abuso do papel de autoridade, fazendo com que eles fiquem irritados.

“E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação no Senhor.” (Efésios 6.4)

O versículo acima traz um resumo sobre a responsabilidade dos pais, trazendo a orientação de que os pais não devem alimentar maus sentimentos em seus filhos sendo injustos, parciais, severos e exercitando sua autoridade de forma abusiva, porque isto só servirá para nutrir o rancor e a ira em seus corações. A Bíblia não está dizendo que os pais devem criar seus filhos sem nenhuma disciplina, pelo contrário, devem sim usar a sua autoridade, mas de forma racional. E é por esta razão que na segunda parte deste versículo, os pais são orientados a criá-los e educá-los, cuidando da mente, das emoções e de seu corpo; não se esquecendo de instruí-los segundo o que o Senhor ensina.

Será que você está provocando a ira de seus filhos?

Não permita que seus filhos vivam sem cuidado e controle. Porque filhos que crescem sem disciplina se sentem pouco amados e, a medida que vão crescendo, revoltam-se tendo pouco (e às vezes até mesmo nenhum) respeito por seus pais e quaisquer autoridades. “O pai que não castiga o seu filho quando é preciso mostra que não tem amor por ele. Um pai que ama o seu filho, desde cedo o disciplina.” (Pv 13.24).

Ao disciplinar seus filhos não fique gritando, repreendendo-os em voz alta, fazendo ameaças e nem usando de impulso violento. Porque estas ações em vez de trazerem consciência sobre suas desobediências, só fazem com que interiormente sintam raiva de seus responsáveis. Além disso, podem repetir (e/ou agravar) o que fizeram de errado. “Abandonem toda amargura, todo ódio e toda raiva. Nada de gritarias, insultos e maldades.” (Ef 4.31). Se você não quer que seus filhos gritem e batam a porta na sua cara, então também não faça isso com eles. “Tratem os outros como vocês querem que os outros tratem vocês.” (Lc 6.31).

A forma correta de disciplinar seus filhos é através de diálogo, deixando que cada um expresse suas opiniões; e se necessário, aplique um castigo deixando bem claro o motivo (“[...] castigarei por causa do que você tem feito [...]” – Jr 21.14) e também o prazo que durará esse castigo (“[...] corrige [...], mas não sejas duro demais [...]” – Jr 10.24). Não deixe um prazo indeterminado, pois isso levará com que estimulem maus sentimentos dentro de si. Porque as Escrituras Sagradas dizem: “Pais, não vivam irritando seus filhos, deixando-os irados e rancorosos. Antes, eduquem-nos com a disciplina amorosa que o próprio Senhor aprova, com recomendações e conselhos.” (Ef 6.4).

Não irritem seus filhos para que não os deixem impacientes. Ou seja, quando for lembrá-los de suas faltas, faça e fale de modo construtivo; e quando for delegar algo para que executem, dê responsabilidades de acordo com a idade e a compreensão que os seus filhos têm. “Pais, não irriteis os vossos filhos, para que não fiquem desanimados.” (Cl 3.21).

■ Não ridicularize os esforços e nem os sentimentos dos seus filhos, pois tal ação os deixa sem ânimo e com impressões que são incapazes de realizar seus alvos. “A esperança e a força de vontade ajudam o homem a vencer dificuldades e doenças, mas se não houver esperança e força de vontade, o homem perde o interesse na vida.” (Pv 18.24).

Não faça preferência de um filho, desprezando o outro; e nem comparações, porque isso o fere, criando sentimentos de inferioridade. E pior, acaba por alimentar sentimentos de ciúmes e ódio; assim como aconteceu na família Jacó, que deixava bem claro o seu amor especial por José (Gn 37.3) rejeitando os seus demais filhos. E sabe o que isso gerou? Os irmãos passaram a odiar a José, falando com o mesmo de modo nada amigável e ainda por tanta inveja e ódio resolveram “acabar com a vida” de José e o venderam (Gn 37.28). Recomendo que leia o meu artigo sobre esse assunto: “Meus pais preferem meu irmão/minha irmã”. “Meus irmãos, como crentes em nosso glorioso Senhor Jesus Cristo, não façam diferença entre as pessoas, tratando-as com favoritismo.” (Tiago 2.1).

Não obrigue os seus filhos irem à igreja (aos cultos), mas faça com que eles desejem isso. Já ouvi pessoas dizerem que: “Se é teu filho, ele tem que cumprir as suas ordens, querendo ou não, vai ter que ir pra igreja, e se fizer graça vai apanhar.” Entretanto, sabemos que as pessoas devem amar a Deus de todo o seu coração, sendo gratos e não fazer as coisas para o Senhor por “obrigação”, mas porque desejam e anseiam por isto. A Palavra de Deus diz: “Educa a criança no caminho em que deve andar.” (Pv 22.6). Entretanto, muitos confundem ensinar “NO caminho” com ensinar “O caminho”; isto é, ensinar “O” caminho é passar a teoria que desejam aos filhos, mas os pais não praticam. Já ensinar “NO” caminho é passar não apenas a teoria, porém praticá-la diante deles como modelos a serem seguidos e também exercitar junto com eles; orando, indo à igreja, lendo a Bíblia e meditando nela, etc.

E o que fazer quando os filhos não querem ir à igreja? Em se tratando de crianças os pais devem exercer a sua autoridade e levá-los à igreja, afinal de contas os filhos devem obediência aos pais (Ef 6.1). No entanto, os pais não podem por conta disso, usar de dureza ou até mesmo de violência para com os filhos, mas precisam ser firmes sempre em amor para que os pequeninos compreendam e se submetam também em amor. Com adolescentes e jovens, é bom evitar gritarias, acusações, discórdias e coisas do tipo que já foram descritas acima. Resumindo: resolva e estabeleça regras sempre com conversas olho no olho, um ouvindo ao outro; para que todos estejam unidos no mesmo propósito. E claro, nunca deixe de orar por eles e com eles!

O que achou desta postagem? O seu comentário é muito importante!
Meu e-mail: abilneleite96@gmail.com

12 comentários:

  1. interessante esses preceitos, criar filhos nao deve ser fácil mesmo

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. É verdade, os pais não devem provocar a ira dos filhos, pois criar filhos não é uma tarefa fácil, e com a ira não vai ajudar, muito bom o seu post é um texto que os pais precisam ler, bjs.

    ResponderExcluir
  3. Acho que o maior exemplo são os pais, de como criar ou não seus filhos! Excelente reflexão sobre o tema! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Que post sensacional, acabou e fiquei com vontade de ler mais. Quem tem filhos pequenos sabe como é difícil deixá -los nos dias atuais. Ótima reflexão.

    ResponderExcluir
  5. No tocante à educação, lembro sempre uma frase que li em algum lugar: a palavra ensina, mas o exemplo arrasta.
    Sobre os versículos da Bíblia e as suas reflexões, muito bacanas!

    ResponderExcluir
  6. Realmente o diálogo é muito importante para qualquer relacionamento, principalmente entre pais e seus filhos. É através da conversa, compreensão, castigos adequados e empatia que os pequenos vão se tornando seres humanos com bom coração.

    ResponderExcluir
  7. O diálogo sempre é a melhor solução! Adorei o post!!!

    ResponderExcluir
  8. A Bíblia quando lida de forma certa é uma excelente instrutora para criação de filhos.

    Blog ArroJada Mix|Blog Prosa e Texto|Blog Vapor da Cozinha

    ResponderExcluir
  9. O diálogo sempre é a melhor solução

    ResponderExcluir
  10. É verdade, o item que me chamou a atencao foi a questao de nao ficar de legalismo com os filhos . Isso é um peso.Procure fazer com que eles tenham prazer no que fazem e nao ser peso ou obrigacao.

    ResponderExcluir
  11. Realmente o ideal é é dialogar ter um bom diálogo como seu filho

    ResponderExcluir

AGRADECEMOS SUA VISITA! DEUS LHE ABENÇOE!