Tentei evangelizar, fui evangelizada

Tem situações em que a gente acha que sabe o que vai fazer, pensa que vai ajudar alguém e acaba é sendo ajudado pela pessoa, termina o dia aprendendo uma grande lição. Isso aconteceu comigo uma vez em que fui visitar um asilo de idosos na minha cidade.

Era uma tarde de sábado, a visita ocorria normalmente, até que eu e uma amiga resolvemos nos sentar na salinha de televisão que ficava na ala das mulheres. Fiquei perto de uma senhora que eu ainda não conhecia, a dona Nair, e comecei a papear com ela.

Muitas vezes quando estamos no asilo, surge a oportunidade de falar sobre Deus. Não sei se as pessoas mais velhas são capazes de abrir mais o coração para o Senhor ou se isso é fruto apenas de coincidência. Fato é que no dia em questão, dona Nair e eu começamos a falar de Deus.

Quando surgiu o assunto, eu me empolguei e logo pensei: “Opa, uma oportunidade de evangelizar!”. Porém, não quis forçar a barra, deixei o assunto fluir, citamos algumas passagens da Bíblia e o papo seguiu.

O que eu não sabia é que as histórias que a dona Nair iria me contar é que me evangelizariam. As histórias da vida dela. 

Uma das coisas que ela me contou foi que quando era mais nova tinha o costume de doar roupas e outros itens para os necessitados.

Só que nem sempre ela tinha o que doar. Mas, em vez de se acomodar e deixar para lá, ela batia na porta das pessoas, juntava as doações e entregava para as pessoas carentes. Primeira lição: amar ao próximo como a mim mesmo, conforme está escrito em Marcos 12:31, a ponto de me esforçar para ver o outro bem.

Gente, vamos pensar juntas. Quantas pessoas você conhece que seriam capazes de sair por aí batendo de casa em casa para pedir doações para outras pessoas? Quando nova, a senhorinha foi capaz de se colocar no lugar do outro e sair da sua zona de conforto para suprir as necessidades do seu próximo.

Não digo isso para exaltá-la, mas, para lembrar que esse é um exemplo importante de seguir. Que mostra que somos discípulos de Jesus (“Se tiverem amor uns pelos outros, todos saberão que vocês são meus discípulos” - João 13:35).

Entretanto, essa não foi a única lição que dona Nair me ensinou naquele dia. Ela também me mostrou como é importante e possível o contentamento, manter o sorriso mesmo nas piores circunstâncias.

Ela é uma senhora que já não enxerga mais. Que viu o primeiro marido morrer e teve a bênção de se casar de novo. No entanto, o seu segundo marido também faleceu. E para piorar, ela também viu o próprio filho morrer.

Depois disso, dona Nair ficou sozinha. O parente que passou a cuidar dela se casou e, com isso, ela teve que ir morar no asilo.

Mesmo com tantas tristezas, ela me disse que procurava se manter satisfeita e que as coisas eram assim. Em nenhum momento de nossa conversa, ela murmurou ou disse palavras negativas em relação a Deus.

Não sei como era o íntimo dela, mas, naquele momento ela parecia entender que aquela era a vida dela e tudo bem. Que viver de mau humor ou reclamando não resolvia nada.

Segunda lição: eu preciso aprender a me alegrar mais no Senhor. Se uma senhora que vive em um asilo, não enxerga mais e já perdeu tantas pessoas amadas, em tragédias pelas quais eu não passei e que sentiu dores que eu não senti consegue mostrar contentamento, por que eu não posso fazer isso? A nossa verdadeira felicidade está na presença de Deus, na companhia de Cristo, na nossa salvação. Sei que é difícil, porém, não devemos olhar para as circunstâncias e sim para o Pai.

O amor dele que nos enche é capaz de acabar com qualquer tristeza. A paz que vem de Jesus e excede todo entendimento é maior do que qualquer problema. Quando somos fracos, temos a oportunidade de sermos verdadeiramente fortes. Porque aí não somos fortes com a nossa força, mas com a força que vem de Deus: "Mas ele me disse: 'Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza'. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente nas minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim."

Ou seja, no dia em que eu achei que ia falar de Jesus para a dona Nair, ela me mostrou atitudes cristãs, que refletem o Senhor. Eu fui evangelizada por ela e creio que jamais me esquecerei desse dia.

E se eu puder deixar um conselho para quem lê este texto, eu peço que você escutem mais o que os mais velhos com quem convivem dizem. Ouçam seus avós, pais e tios, eles têm coisas para contar e ensinar. Se for possível, visite um asilo um dia e dê um pouco de amor e carinho a pessoa que nem sempre recebem isso. E, talvez, você saia de lá com preciosas lições no coração, assim como aconteceu comigo naquele dia!



Nenhum comentário

AGRADECEMOS SUA VISITA! DEUS LHE ABENÇOE!