Garotas fãs de Cristo: O impostor que eu sou.

O impostor que eu sou.




A vida em torno do falso eu gera o desejo compulsivo de apresentar ao público uma imagem perfeita, de modo que todos nos admirem e ninguém nos conheça. A vida dedicada à sombra é uma vida de pecado. Pequei em minha recusa covarde — por temer ser rejeitado — de pensar, de sentir, de agir, de responder e de viver a partir do meu eu autêntico.

Recusamos ser nosso verdadeiro eu até mesmo com Deus — e depois nos perguntamos por que nos falta intimidade com ele. O ódio pelo impostor é na verdade o ódio de si mesmo. O desprezo pelo falso eu dá vazão à hostilidade, o que se manifesta como irritabilidade geral — irritação pelas mesmas faltas nos outros que odiamos em nós mesmos. O ódio próprio sempre redunda em alguma forma de comportamento autodestrutivo. O impostor e eu constituímos uma só pessoa." (MANNING, Brennan. O impostor que vive em mim). 

E quem é o impostor? Meu ego não remido e impossível de remissão. Minha carne! O resquício que prova que ainda não estou pronto e aperfeiçoado no amor. O impostor sou eu quando recuso a graça. Sou eu quando uso de artifícios externos e superficiais para esconder todo o lixo que realmente sou. É uma faceta minha totalmente calculista, fria e inteligente que se atém a contornar situações que possam me revelar. 

Com certeza, quando escondo meus defeitos é o impostor que está nos bastidores sussurrando ao meu ouvido cada atitude que preserve minha fachada. É o impostor que articula cada frase de efeito, cada gesto pueril, cada reação esboçada que mantenha distante qualquer sombra de quem realmente sou. Quando entregamos nosso ser a Cristo, o impostor é o primeiro prejudicado. 

Ele vê diante de si todo seu trabalho ameaçado de ser desfeito e desmascarado diante de todos. É quem mais se inquieta à cada atitude de sinceridade, de humildade, mansidão e vulnerabilidade aos outros. Vê toda sua arte desfalecendo-se diante de seus olhos e com certeza fará tudo para o evitar. O impostor sabe que se estiver diante de Cristo, estará cego, pobre e nu. E que nenhuma sagacidade o poderá camuflar diante daquele que sonda quem somos.

Talvez, seja isso que me incomode quando ouço que sou "a certinha". Deus sabe que não sou! Ah, se realmente soubessem quem eu sou. Ah, se não me bastasse a graça! Não quero que as pessoas vejam em mim alguém arrogante em seus princípios puritanos. Não quero que se escondam de mim quando me aproximar. Quero ser como meu Mestre, atraente e agradável. Quero lutar contra o pecado, sim! Mas, não quero fingir que não peco! Ah, se as pessoas soubessem pelo menos o que se passa em minha mente no meu momento mais podre! Acho que jamais tornaria a me chamar assim!

Quero ser mansa e humilde como meu Mestre, não a "perfeitinha" como Caifás. Quero atrair as prostitutas, os homossexuais, os drogados, os ladrões, os leprosos, os pobres e até mesmo aquele pior tipo de pessoa que existe. Aquela que se parece comigo...

O poema escrito por Daniel Babugem, intitulado "Impostor que sou", me será oportuno:

Tão perturbador é o impostor que sou...
Meus próximos nem eu
Conhecemos seus fracassos e mentiras...
Viventes na calidez do meu interior...
Não digo a verdade de quem eu sou...
A minha imagem os convenceu de que sou bom...
Mas, não convenceu a mim e nem a Deus...
Meu ego explora verdades para me enganar
Não sou mal ao ponto do desprezo
Nem bom o bastante a ser capaz de amar
Mas na calidez interior que sonha
A Sua parte em mim...
Conhece meus fracassos e mentiras
Você pode ver a minha alma sem máscaras
Você sabe quem eu sou...

Texto de Thiago Mendanha adaptado por Camila Zaponi.
Retirado do blog Juventude na Rocha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADECEMOS SUA VISITA! DEUS LHE ABENÇOE!